Em 2021, arrecadação tributária chega próximo da marca de R$ 3 trilhões

A soma dos impostos e contribuições pagas no Brasil no ano passado foi de R$ 2,942 trilhões, o correspondente a 33,9% do Produto Interno Bruto (PIB) no período, uma alta de dois pontos percentuais em relação ao montante arrecadado em 2020. Na proporção do PIB, é o número mais alto desde 2010, quando iniciou-se a medição.

Desse valor total, R$ 1,951 trilhão foi para a esfera federal, R$ 789 bilhões para os estados e R$ 202 bilhões para municípios. Segundo boletim do Tesouro, a alta foi influenciada “pela reversão de incentivos fiscais instaurados durante a crise da covid, além de um crescimento econômico em 2021 pautado na retomada de comércio e serviços”.

Leia mais informações a respeito, abaixo:

 

Carga tributária brasileira sobe a 33,90% do PIB em 2021 e soma R$ 2,94 trilhões

Dos quase R$ 3 trilhões arrecadados, R$ 1,951 trilhão foi para o governo federal, R$ 789 bilhões para Estados e R$ 202 bilhões para municípios

 

A carga tributária do governo geral encerrou 2021 em 33,90% do Produto Interno Bruto (PIB), avançando mais de 2 pontos percentuais em relação aos 31,77% registrados um ano antes. Em valores absolutos, o total de impostos e contribuições pagos pelos brasileiro no ano passado subiu R$ 570,3 bilhões, para R$ 2,942 trilhões.

Na proporção do PIB, foi o valor mais alto desde pelo menos 2010, quando teve início a série histórica. Até então, o maior valor tinha sido registrado em 2011, ano em que o indicador alcançou 33,05%. Os números levam em conta governo federal, Estados e municípios e foram divulgados hoje pelo Ministério da Economia.

Dos quase R$ 3 trilhões arrecadados, R$ 1,951 trilhão foi para o governo federal, R$ 789 bilhões para Estados e R$ 202 bilhões para municípios. Também segundo o Ministério da Economia, a carga tributária do governo federal cresceu 1,55 ponto percentual em 2021, para 22,48%. No caso de Estados e municípios as altas foram, respectivamente, de 0,55 ponto e 0,06 ponto, para 9,09% e 2,33%.

Segundo boletim do Tesouro, o aumento da carga tributária foi influenciado “pela reversão de incentivos fiscais instaurados durante a crise da covid, além de um crescimento econômico em 2021 pautado na retomada de comércio e serviços”. Em 2020, a carga tributária bruta somou R$ 2,372 trilhões, equivalente a 31,77% do PIB.

Os impostos sobre bens e serviços ocuparam a maior fatia da carga tributária do governo geral em 2021. Segundo a Secretaria do Tesouro Nacional, responderam por 14,76 pontos percentuais dos 33,90% do PIB que formaram a carga tributária total. Dito de outra forma, esses impostos foram responsáveis por quase metade (43,5%) do que foi cobrado por governo federal, Estados e municípios no período.

Outro destaque foram as contribuições para o Regime Geral de Previdência Social (RGPS), que somaram 5,19 pontos percentuais, ou 15,3% da carga tributária total. A pasta também chamou a atenção para o crescimento, sempre na comparação com 2020, de 0,78 ponto percentual e 0,26 ponto percentual do PIB das receitas com Imposto Sobre a Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), respectivamente.

“Tal resultado é explicado essencialmente por três fatores: incremento real de 37,96% na arrecadação referente à estimativa mensal; incremento real de 68,24% na arrecadação do balanço trimestral; e incremento real de 19,82% na arrecadação do lucro presumido”, destaca o Ministério da Economia em nota.

No âmbito federal, a Pasta destacou ainda a alta de 0,27 ponto do PIB da arrecadação do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). O resultado pode ser “explicado, principalmente, pela restauração da tributação das operações de crédito, cuja alíquota se encontrava reduzida a zero entre 3 de abril de 2020 e 31 de dezembro de 2020”.

Por fim, os Estados tiveram como destaque o aumento de 0,58 ponto do PIB da arrecadação com o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), enquanto nos municípios “houve estabilidade na arrecadação de tributos relacionados a serviços”, com uma pequena alta de 0,06 ponto do PIB no caso do Imposto Sobre Serviços (ISS).

 

Fonte: Carga tributária brasileira sobe a 33,90% do PIB em 2021 e soma R$ 2,94 trilhões | Valor Econômico

 

Sobre o autor

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nosso blog

Digite seu email para acompanhar nosso blog e receber notificação de novos conteúdos.