Cortes na arrecadação devem apequenar a projeção da Receita até o final do ano

Considerado o número mais alto de toda a série histórica, que começou em 1995, a arrecadação federal terminou o primeiro semestre em R$ 1,09 trilhão, o que representa alta de 11%, em relação ao mesmo período de 2021. A recuperação da atividade econômica é um dos impulsionadores do marco.

Somente o mês de junho, que ficou em R$ 181 bilhões, representou um recorde de 18% para o período. Porém, embora especialistas acreditem que surpresas positivas na arrecadação de impostos federais devem permanecer nos próximos meses, o impacto do corte de impostos – como a redução das alíquotas de IPI, por exemplo – realizado recentemente pelo Executivo e pelo Congresso está sendo visto como uma das incógnitas para a segunda metade do ano.

Leia mais informações a respeito, abaixo:

 

Receita recorde entra em risco após redução de impostos

Receita chegou a R$ 1,09 trilhão no primeiro trimestre

 

A arrecadação federal terminou o primeiro semestre no patamar mais alto para o período desde o início da série histórica usada pela Receita Federal. O avanço foi puxado principalmente pela recuperação da atividade econômica. A avaliação entre economistas e na Receita é que o crescimento deve continuar nos próximos meses, ainda que em um ritmo mais lento do que o observado na primeira metade do ano.

A arrecadação federal terminou o semestre em R$ 1,09 trilhão, conforme divulgou ontem a Receita. O resultado representa alta real de 11%, em relação ao mesmo período do ano passado e já descontada a inflação. Foi o número mais alto de toda a série histórica, que começou em 1995. Em junho, por sua vez, o recolhimento de impostos ficou em R$ 181 bilhões, alta de quase 18% e novamente recorde para o mês em toda a série histórica.

“O grande vetor do aumento de arrecadação foi o lucro das empresas”, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, a jornalistas após a divulgação dos números.

O recolhimento do Imposto de Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ) e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) alcançou R$ 258,5 bilhões no primeiro semestre, o que representa alta de 21,6%.

“No acumulado do ano, combustíveis, serviços financeiros, extração mineral e extração de petróleo e gás foram as atividades que tiveram os maiores aumentos de receita”, diz Tiago Sbardelotto, economista da XP Investimentos, em relatório.

Ele projeta crescimento de aproximadamente 7% para a arrecadação federal em 2022, com o indicador terminando o ano em R$ 2,149 trilhões. “Surpresas positivas na arrecadação de impostos federais devem permanecer nos próximos meses”, diz.

Uma das incógnitas para a segunda metade de 2022 é o impacto que o corte de impostos realizado recentemente pelo governo federal e pelo Congresso pode ter. Ao comentar os números de junho, Guedes voltou a afirmar que as reduções de alíquotas são sustentáveis em termos fiscais.

“É por causa desse aumento de arrecadação acima do previsto que se confirma a nossa política de redução de impostos”, disse o ministro.

Sbardelotto reconhece que há a possibilidade de que “recentes reduções de alíquotas e moderação de preços e atividade econômica” impactem “negativamente as receitas” no segundo semestre. Mesmo assim, “ganhos na folha de pagamento e no consumo podem sustentar a arrecadação para os próximos meses”.

Para Alexandre Manoel, economista-chefe da AZ Quest, começam a aparecer “sérios indícios” de que “há um crescimento estrutural nesse ganho de receita”. Ele cita como uma das possíveis fontes desse ganho estrutural o aumento da compra de bens pela internet.

Em relatório, a equipe econômica do Banco Modal afirma que “o bom desempenho da economia deve favorecer o desempenho da arrecadação de impostos” na metade final do ano.

“Por outro lado, as renúncias fiscais implementadas aliadas ao desejo do governo de reduzir ainda mais as alíquotas de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) podem desacelerar o recolhimento de impostos observado até aqui”, diz.

Por sua vez, o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, Claudemir Malaquias, afirmou a jornalistas, ao comentar os números, que a expectativa é que o recolhimento “continue acompanhando o ciclo de recuperação da atividade econômica”.

Tanto a equipe econômica do Modal quanto Manoel, da AZ Quest, reconhecem ainda que a inflação elevada é um dos fatores que têm impactado positivamente a arrecadação, mesmo quando o indicador é calculado em termos reais. Manoel cita como exemplo o efeito na tabela do Imposto de Renda (IR).

“A tabela não é corrigida, mas a renda nominal [de quem paga o imposto] aumenta. A pessoa cai em uma faixa maior e paga mais imposto. Daí a arrecadação real também aumenta”, afirma.

Fonte: Receita recorde entra em risco após redução de impostos

Sobre o autor

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nosso blog

Digite seu email para acompanhar nosso blog e receber notificação de novos conteúdos.