Modelo de importações da Ásia motiva questionamento sobre regras tributárias entre os e-commerces brasileiros

Há cerca de 20 dias, um grupo de empresários brasileiros apresentou um documento ao Governo Federal solicitando regras tributárias diferentes para  empresas de e-commerce que importam produtos da China, como Mercado Livre, Shein, Wish, Shopee e AliExpress. Segundo o pedido, tais empresas estariam obtendo benefícios tributários por meio de práticas ilícitas, ocasionando concorrência desleal com os marketplaces nacionais.

Segundo Fernando Yunes, vice-presidente sênior do Mercado Livre, há hoje pessoas jurídicas importando grandes volumes da Ásia, se passando por pessoa física e vendendo em alguns sites sem a devida taxação.

Acompanhe mais informações a respeito, abaixo:

 

Mercado Livre (MELI34) se diz favorável a controle tributário mais rígido para importações vindas da Ásia

Em live do InfoMoney, executivos afirmaram que não entendem o fato de a empresa ter sido acusada de concorrência desleal

 

No final de março, o Mercado Livre (MELI34) e outras empresas de e-commerce que importam produtos da China, como Shein, Wish, Shopee e AliExpress, foram acusadas de concorrência desleal por, segundo comunicado divulgado por um grupo de empresários brasileiros, obter benefícios tributários por meio de práticas ilícitas. O vice-presidente sênior do Mercado Livre, Fernando Yunes, afirmou, em live do InfoMoney, que não compreende a companhia “ter sido colocada nesse bolo, porque estamos do outro lado”.

Yunes disse que mais de 95% das vendas da plataforma passam por logística própria do Mercado Livre, o que significa que esses produtos saem com nota fiscal. Os 5% restantes são compostos por entregas para empresas de grande porte e pessoas físicas que, caso comecem a obter um volume substancial de vendas, são obrigadas a se formalizarem como microempreendedores.

“Perdemos mais de 80 mil vendedores por termos obrigado que se formalizassem, porque o volume de vendas que tinham já correspondia ao de uma empresa. Se a pessoa não se formaliza, ela não pode continuar vendendo na plataforma”, garantiu o vice-presidente, que disse ainda que o Mercado Livre é favorável a um movimento de maior controle de impostos para grandes importações vindas da China e de outros países asiáticos.

“Existem pessoas físicas importando grandes volumes da Ásia, se passando por pessoa física e vendendo em alguns sites. Isso existe e somos contra, concordamos com o movimento de aumento de impostos nesses casos”, completou.

O Brasil representa a maior parcela das vendas da companhia, que opera em outros 18 países da América do Sul, Central e do Norte. No último trimestre de 2021, segundo Yunes, o Mercado Livre comercializou aproximadamente 50 milhões de produtos por mês, o que corresponde a cerca de 2 milhões de vendas diariamente. Na comparação com o último trimestre de 2020, eram cerca de 5 itens comprados por cliente, enquanto no ano passado, o número subiu para 7 por consumidor.

De acordo com André Chaves, vice-presidente sênior de estratégia, desenvolvimento corporativo e RI, o Brasil representa metade do negócio total do Mercado Livre, que anunciou investimentos de R$ 17 bilhões no país. A operação logística, contou Chaves, será um dos principais focos em 2022, com o objetivo de ampliar o número de centros de distribuição e a frota de aviões, para entregar em locais mais distantes e mais rapidamente. Além disso, revelou que o Mercado Pago, braço de operações financeiras do Mercado Livre, começará a operar com criptomoedas ao longo do ano.

Yunes e Chaves falaram ainda sobre as perspectivas para o e-commerce e para o Mercado Pago, as estratégias do Mercado Livre para aumentar sua penetração nas vendas on-line, com a entrada em novos segmentos como supermercados e moda, e para se proteger de riscos de inadimplência em virtude da perda de renda do brasileiro por conta do cenário macroeconômico.

Os executivos abordaram também o que a companhia tem feito para se defender de golpes e ataques cibernéticos, o que o Mercado Livre pensa sobre manobras de M&A e se há perspectivas para isso, além do valor das ações.

“Internamente estamos mais preocupados com a construção no longo prazo, respeitamos quem pensa mais no curto prazo, mas o nosso ciclo mínimo de pensamento é de ano em ano e não de trimestre em trimestre, para criar valor para o acionista e um negócio sólido e sustentável”, afirmou Chaves.

 

Fonte: Mercado Livre (MELI34) se diz favorável a controle tributário mais rígido para importações vindas da Ásia

Sobre o autor

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nosso blog

Digite seu email para acompanhar nosso blog e receber notificação de novos conteúdos.