Senado prorroga isenções do ICMS

Isenções, incentivos e benefícios fiscais vinculados ao ICMS, no âmbito da guerra fiscal entre os Estados, podem ser estendidos até 2032. O projeto, aprovado no início deste mês pelo Senado, além de alterar uma lei complementar de 2017, vai na contramão da PEC 110, da Reforma Tributária.

Vale destacar que o texto beneficia quatro setores principais: portuário e aeroportuário (vinculados ao comércio internacional), comercial (desde que o beneficiário seja o real remetente da mercadoria) e de produtos agropecuários. O próximo passo será a sanção presidencial.

 

 

Mais informações a respeito você pode acompanhar abaixo:

Senado prorroga isenções do ICMS

 

Incentivos e benefícios fiscais vinculados ao tributo, no âmbito da guerra fiscal entre os Estados, terão mais 15 anos

O plenário do Senado aprovou ontem, por 67 votos a três, um projeto que prorroga, por até 15 anos, isenções, incentivos e benefícios fiscais vinculados ao ICMS, no âmbito da guerra fiscal entre os Estados. A proposta vai na contramão da PEC 110, da reforma tributária, o que evidencia a resistência dos senadores ao parecer apresentado pelo senador Roberto Rocha (PSDB-MA).

O texto beneficia quatro setores principais: portuário e aeroportuário (vinculados ao comércio internacional), comercial (desde que o beneficiário seja o real remetente da mercadoria) e de produtos agropecuários. A proposta segue agora para sanção presidencial.

Como o projeto altera uma lei complementar de 2017, a aprovação estende os benefícios fiscais até 2032. Por outro lado, o texto também prevê um mecanismo gradual de redução das isenções prorrogadas (com exceção do agropecuário) à razão de 20% ao ano, a partir de 2029, que deve resultar na sua extinção em 2033. O parecer final também concede prazo de 180 dias para que o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) adeque convênio relacionado ao tema.

“A lei complementar nº 160, de 2017, autorizou as unidades federadas a conceder ou prorrogar benefícios fiscais abrangidos pelo futuro convênio, desde que observado o prazo limite de fruição previsto conforme o tipo de atividade econômica exercida pelo beneficiário. É esse prazo de fruição que ora é estendido”, explicou a relatora da proposta, Rose de Freitas (MDB-ES).

O texto venceu a resistência da bancada paulista no Senado, que se mostrou contrária ao projeto e tentou adiar o debate. “São Paulo está sempre na mira dos subsídios e da guerra fiscal. E essa guerra fiscal é uma corrida para o fundo. Ela não é uma corrida para frente nem para o alto”, disse o senador José Aníbal (PSDB-SP), representante paulista.

O parlamentar tucano recebeu apoio do relator da PEC da reforma tributária, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), que mostrou irritação com a proposta justamente por sua contradição em relação à PEC da reforma tributária. “Não tem sentido ficar discutindo incentivo de ICMS se o ICMS vai ser extinto”, resumiu.

O Valor apurou que a apresentação do parecer de Roberto Rocha não entusiasmou senadores de PSD e MDB, as duas maiores bancadas do Senado. Apesar do empenho do presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a avaliação entre os líderes é que não há condições de aprovar a PEC neste ano. Um dos motivos é que o texto não teria agradado grandes municípios e empresas.

Além disso, alguns senadores avaliam que o texto não está “redondo” e precisaria de muitas discussões antes de ser levado ao plenário. Por fim, há senadores que acreditam que o Senado precisa focar em uma única proposta e, neste sentido, a reforma do Imposto de Renda (IR) estaria mais “equilibrada”, explicou um parlamentar.

Juntos, PSD e MDB têm 26 senadores e costumam ser fiés da balança em votações importantes. “Pode esquecer. Essa PEC não tem como, mexe com o consumo. Está tudo embaralhado, vai ficar para o novo governo”, explicou, em off, um emedebista.

Fonte: Senado prorroga isenções do ICMS | Política | Valor Econômico (globo.com)

Sobre o autor

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nosso blog

Digite seu email para acompanhar nosso blog e receber notificação de novos conteúdos.