Inflação avança a despeito do corte da tarifa de importação

O corte no imposto de importação de etanol, café, margarina, queijo, macarrão e óleo de soja e a redução em 10% das alíquotas de importação sobre itens de informática e bens de capital terá impacto limitado para conter a alta de preços e segurar a inflação. Isso porque, mesmo com essa medida, a previsão do Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) para este ano fica em torno de 7%.

Além de o peso desse grupo de itens ser pequeno na inflação, como os preços são livres e o momento atual é de muita volatilidade, a isenção do imposto não necessariamente se traduz em preços menores ao consumidor, diz o economista. A decisão pode, no máximo, impedir um aumento maior no preço final.

Acompanhe mais informações a respeito,  abaixo:

 

Corte de tarifa de importação deve ter efeito limitado para conter alta de preços, dizem economistas

Mesmo com a medida, os especialistas mantêm as previsões para o IPCA em 2022 na faixa de 7%

 

A decisão do governo de zerar o imposto de importação de etanol, café, margarina, queijo, macarrão e óleo de soja e de reduzir em 10% as alíquotas de importação sobre itens de informática e bens de capital terá impacto limitado para conter a alta de preços e segurar a inflação, segundo economistas ouvidos pelo Estadão.

Mesmo com essa medida, eles mantêm as previsões para o ano do Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) na faixa de 7%. Na prática, a zeragem do imposto tem muito mais um caráter populista, no sentido de o governo demonstrar preocupação com a inflação em ano eleitoral, do que equacionar a forte pressão inflacionária, que mantém os índices em 12 meses em dois dígitos.

Nas contas de André Braz, coordenador de índices de preços do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/Ibre), o etanol e os alimentos, cujas alíquotas estão zeradas até o final do ano, representam menos de 3% do orçamento familiar. “Eles pesam menos do que a conta de luz, que responde por 5% do IPCA”, compara.

Além de o peso desse grupo de itens ser pequeno na inflação, como os preços são livres e o momento atual é de muita volatilidade, a isenção do imposto não necessariamente se traduz em preços menores ao consumidor, diz o economista. A decisão pode, no máximo, impedir um aumento maior no preço final, observa.

O motivo é que as cotações das commodities, como soja, trigo, milho, petróleo, seguem muito pressionadas no mercado internacional por causa da guerra entre Rússia e Ucrânia. “Parece que essa decisão está na conta de medidas em torno das eleições, do interesse do governo de se posicionar melhor na corrida eleitoral.”

O economista Fábio Silveira, sócio da consultoria MacroSector, concorda com Braz. “O anúncio desse pacote tem um caráter populista e eleitoreiro.” Ele diz que a desaceleração da inflação no segundo semestre já é prevista por causa de outros fatores e que o efeito da zeragem do imposto é muito pequeno. “Não é isso que vai conter preços.”

Entre os fatores que devem levar a uma desaceleração da inflação no segundo semestre, apesar de a sua projeção do IPCA para o ano continuar na faixa de 7% por causa da disparada de preços do primeiro semestre, o economista aponta a alta dos juros no mundo, especialmente nos Estados Unidos. “A subida dos juros dos títulos do Tesouro americano reduz os movimentos especulativos de fundos que apostam em commodities e impulsionam os preços”, explica.

Outro fator apontado por Silveira é a entrada, no segundo semestre, das safras de grãos no mercado internacional, o que amplia a oferta de produtos e segura os preços. Além disso, a valorização do dólar em relação ao real deve limitar a alta da inflação no Brasil.

 

Câmbio

“Se o câmbio continuar se valorizando, ele terá impacto muito mais importante para segurar a inflação do que essas reduções de impostos”, afirma o economista Guilherme Moreira, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor da Fipe.

Moreira pondera que toda a redução de imposto é bem-vinda, mas destaca que o problema da inflação neste momento é muito maior do que os itens nos quais o governo decidiu zerar ou reduzir o imposto de importação. “A inflação está muito espalhada.”

No Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de fevereiro, o último dado disponível, 74,8% dos 377 itens que compõem o indicador registraram aumento de preços, um recorde histórico, aponta levantamento da LCA Consultores.

Fabio Romão, economista da LCA, diz que a decisão do governo pouco vai influir na inflação. No caso do etanol, ele observa que o produto importado respondeu por apenas 3,8% da oferta no mercado interno no ano passado. “É muito pouco, não tem oferta”, argumenta. Além disso, o etanol importado é produzido a partir do milho, que está em alta no mercado internacional. “Não deve ter um efeito relevante para o preço da gasolina”, afirma. O economista não alterou a previsão de alta de 10% para a gasolina neste ano e de um IPCA de 6,7%.

 

Empresas criticam a medida

A redução no imposto de importação pegou de surpresa as empresas dos setores afetados pela medida.

Segundo a Abinee, a associação que representa a indústria de produtos eletroeletrônicos, o novo corte quebra a confiança no diálogo com o governo. “Essa decisão (…) aumenta a insegurança jurídica, o que afeta qualquer intenção de investimento e de reindustrialização no País”, disse o presidente da entidade, Humberto Barbato, em nota.

Em um ano, esta é a segunda redução do imposto cobrado na importação de aparelhos de informática e de telecomunicações, como computadores, tablets e celulares, repetindo a dose – corte de 10% – de março de 2021. Máquinas e equipamentos também tiveram o imposto de importação reduzido em mais 10%.

Para a Associação de Produtores de Açúcar, Etanol e Bioenergia (NovaBio), a decisão do governo de zerar tributos de importação do etanol é negativa, sem o compromisso de um corte semelhante da parte de outros países. “A medida compromete o ânimo da produção e da geração de empregos e não oferece ao nosso setor reciprocidade alguma para exportação, por exemplo, de açúcar para os EUA”, disse o presidente da entidade, Renato Cunha.

Já a União Nacional do Etanol de Milho (Unem) disse que a retirada da alíquota para importação do biocombustível causa “extrema preocupação”. “A medida poderá gerar efeitos adversos e indesejados num momento de instabilidade do mercado, tais como a insegurança jurídica, aumento de custo para indústria nacional, inibição da geração de emprego e o processo de desinvestimento”, afirma a entidade em comunicado. Para a Unem, o ideal seria incentivar a produção de combustíveis mais limpos e de matriz energética renovável.

Fonte: Corte de tarifa de importação deve ter efeito limitado para conter alta de preços, dizem economistas | Economia & Negócios| O Estado de S. Paulo

Sobre o autor

Product Owner na Synchro, maior provedora nacional de soluções de conformidade fiscal, na qual colabora desde 2012. Advogada e Contadora, com mais de quinze anos de experiência em compliance fiscal, consultoria, auditoria e contencioso tributário. Também é palestrante, Professional Coach Practitioner pela ABRACOACHING e psicanalista pelo Centro de Formação em Psicanálise Clinica de Campinas, com especialização pela FAATESP. Possui sólida e contínua formação na área, com graduação em Direito pela PUC-Campinas e em Ciências Contábeis pela Policamp, especialização em Direito Tributário pelo IBET, Extensão em Planejamento Contábil Tributário pelo COGEAE da PUCSP e Especializaão em Imposto de Renda das empresas pela APET. Cursou Ciências Econômicas na UNICAMP e MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria na FGV e possui certificação "Scrum Product Owner" pela Scrum Alliance.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nosso blog

Digite seu email para acompanhar nosso blog e receber notificação de novos conteúdos.