EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DO IRPJ E DA CSLL – DECISÕES CONTRÁRIAS AS DA “TESE DO SÉCULO”

INTRODUÇÃO

Decorridos mais de 20 anos de discussão sobre a “Exclusão do ICMS da Base de Cálculo do PIS e da COFINS, finalmente em 2017 o STF chegou à conclusão e, assim definiu, por essa exclusão de encargo extraordinário na tributação dessas contribuições, quando julgou, em definitivo, o RE 574.706/PR, tema 69.

Esse julgamento teve como foco central o entendimento de que o ICMS não poder ser considerado “receita” ou “faturamento” das empresas, para fins de pagamento das contribuições IS e COFINS que incidem sobre o faturamento de produtos e serviços.

Com base nesse entendimento do STF, outras teses foram objeto de questionamentos de forma mais “maciça”, se assim podemos dizer, para discutir outras exclusões de tributos da base de cálculo, a exemplo da “Exclusão ISS da Base de Cálculo do PIS e da COFINS”,e da “Exclusão do ISS da Base de Cálculo do IRPJ e da CSLL”.

Nesse artigo, vamos comentar acerca da exclusão do ISS da base de cálculo do IRPJ e da CSLL, uma vez que os tribunais estão decidindo de forma contrária ao que se tem como base, a decisão dada no julgamento do RE 574.706/PR, a chamada “Tese do Século”.

 

1.EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DO IRPJ E DA CSLL

Ao ingressar com as medidas judiciais cabíveis ao pleito de “Exclusão do ISS da Base de Cálculo do IRPJ e CSLL”, os contribuintes têm recebido negativas do Judiciário, embora o raciocínio seja o mesmo que definiu o tema 69 (exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS).

Nos parece claro que o valor do imposto Municipal (ISS) não configura receita e nem faturamento da empresa, uma vez que tal quantia constitui entrada transitória em seu caixa, razão pela qual não deve ser inserida na base de cálculo dos tributos Federais (IRPJ e CSLL).

Apesar desse justo entendimento, os Tribunais Regionais Federais (TRFs) vêm proferindo decisões que mantem o valor do ISS embutido nas bases de cálculo do IRPJ e da CSLL, tendo por “equivocado” fundamento que, ao decidir o Tema 69, o STF somente tratou da inconstitucionalidade de inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS, não mencionando em sua decisão, quaisquer outros tributos ou sua regra de composição de base de cálculo.

 

2.COMENTÁRIOS FINAIS

Embora esse argumento dos Tribunais Regionais seja, a ótica da advocacia, “nada plausível”, pois o raciocínio para fins de exclusão de valores que não podem ser considerados receita ou faturamento, como é o caso de qualquer tributo dentro da base de cálculo de outro tributo, aos contribuintes resta pleitear em juízo o afastamento do valor do ISS da base de cálculo do IRPJ e da CSLL e, terá que aguardar a tese chegar ao STF para que enfim, aplique-se o mesmo fundamento conferido na decisão da “Tese do Século”, Tema 69 (exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS).

Atualmente, os Tribunais Regionais Federais, têm negado a exclusão do ISS das bases de cálculo de tributos federais.

Como todas as teses tributárias, os contribuintes devem insistir até o julgamento de inconstitucionalidade pelo STF, a fim de ver um direito seu, efetivamente reparado.

 

Por: Luciana Benassi

Sobre o autor

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nosso blog

Digite seu email para acompanhar nosso blog e receber notificação de novos conteúdos.