Dinheiro escondido na área tributária: tecnologia é aliada na diminuição do Custo Brasil

De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), cerca de 95% das empresas pagam mais impostos do que deveriam. O motivo não poderia ser outro além do custo Brasil, referente à complexa tarefa de manter as obrigações em conformidade com as mais de 40 mil leis tributárias em vigor, num regime crescente de 1,2 novas leis por hora.

Não é novidade que o sistema tributário brasileiro está entre os mais onerosos e complexos do mundo. A carga tributária no Brasil, atualmente correspondente a 33,1% do PIB, é uma das mais altas do mundo (em % sobre o PIB), aproximando-se de países de primeiro mundo sem, no entanto, reverter-se em retornos sociais equivalentes.

A mensagem que temos aqui é clara, desde o pagamento de tributos, realizado de modo falho por praticamente todos os contribuintes, até a redistribuição dos valores arrecadados, que apesar do alto valor do montante não dá conta de aprimorar a nossa qualidade de vida, estamos gerindo mal nosso dinheiro.

Segundo o Banco Mundial, somos o país que mais gasta tempo com obrigações tributárias, com uma média entre 1.483 e 1.501 horas por ano para preparar, declarar e pagar impostos, quase 10 vezes mais do que os países de alta renda da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Isso porque, segundo o IBPT, desde o marco constitucional de 1988, 443.236 normas tributárias foram criadas no Brasil, das quais 30.837 estavam em vigor em 30 de setembro de 2021. A estimativa do instituto é que os gastos corporativos para a gestão tributária custem R$181 bi às empresas anualmente. Haja dinheiro!

Enquanto a reforma tributária, que ao menos visa auxiliar pelo lado da simplificação dos tributos, não se concretiza, cabe aos contribuintes investir em inteligência tributária para ajustar os valores pagos à Receita Federal, de modo que eles correspondam ao que se deve de fato, destinando o “dinheiro escondido” na área de tributos, para aportar o desenvolvimento do core business, algo que, em tempos de forte recessão como o que vivemos, torna-se ainda mais essencial.

E quando falamos sobre tais excedentes, é possível imaginar o rombo. Recentemente, apenas a modulação dos efeitos da decisão que excluiu o ICMS da base de cálculo do PIS/ Cofins, determinada pelo STF em abril, pode impactar os recolhimentos da receita em cerca de R$100 bilhões de créditos tributários. Já parou para pensar no quanto isso impacta o desempenho da sua empresa atualmente?

Um dos principais entraves da conformidade tributária e fiscal é justamente a atribuição correta das obrigações diante das alterações constantes na legislação, motivo pelo qual, cada vez mais, as empresas têm recorrido a soluções tecnológicas integradas de modo nativo ao ERP para guiar a área tributária.

Isso porque, no Brasil, não se movimenta uma mercadoria entre dois CNPJs distintos sem uma autorização on-line do Fisco de uma nota eletrônica em formato de mensagem (XML). Ao aceitar a nota, o Fisco captura mais de 300 tags de informação, em tempo real, de uma única transação. Considerando-se todas as transações de todas as empresas, pode-se imaginar a capacidade computacional, principalmente dos Fiscos federal e estaduais, para processar estas informações e identificar não conformidades, principalmente quando comparadas ao conteúdo de outras obrigações.

À medida que chegamos ao fim de mais um ano sem perspectiva de concretização de medidas pró simplificação do recolhimento de tributos, investir em tecnologias de conformidade tributária e fiscal segue sendo a melhor medida para se combater o Custo Brasil, zelando pela prosperidade da sua empresa.

Por Leonel Siqueira, gerente fiscal da Synchro

Sobre o autor

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nosso blog

Digite seu email para acompanhar nosso blog e receber notificação de novos conteúdos.