Propósito aliado à prosperidade: o ESG estimula as empresas a se desenvolverem no coletivo

Um dos termos mais discutidos no âmbito corporativo atualmente, o ESG (sigla em inglês para Environmental, Social and Governance ou Ambiental, Social e Governança) representa o espectro de ações por meio das quais as empresas intensificam seu impacto positivo na sociedade, aliando o seu propósito de existência à sustentabilidade na forma com que se relacionam com o mundo.

Trazendo essa abordagem sistêmica do ESG para o nosso meio tributário, podemos dizer que sua adoção, embora desafiadora no contexto da nossa complexa legislação, resgata o propósito da existência do Fisco, que é contribuir para o desenvolvimento social por meio do recolhimento dos tributos, e dos próprios tributos, que, como normas jurídicas, têm por finalidade impor comportamentos sociais, na medida em que são obrigatórios.

Logo, o principal norteador de uma empresa ao se comprometer com a agenda ESG são os seus próprios princípios. Na área tributária, a orientação para resultados que contemplem os indicadores de lucro e de produção deve estar alinhada à promoção das entregas que fomentem as transformações que a companhia quer ver no mundo. Ou seja, é aqui que equilibramos a proposta financeira com a de valor – em nível de governança, estratégia e operação.

Mas, afinal, como situar o ESG no roadmap tributário da sua empresa? Primeiro, vamos compreender os três pilares dessa sigla para, mais adiante, entendermos como aplicá-la no dia a dia:

Ambiental: se refere às ações de preservação do meio ambiente, tendo em vista os cenários de escassez desencadeados por eventos climáticos extremos, como as secas, por exemplo; além da mitigação de eventos causados pelo homem, como a poluição do solo e das águas e o desmatamento.

Social: está ligado à relação entre as empresas e seus colaboradores e/ou demais públicos de interesse (stakeholders). Aqui, são implementadas políticas de diversidade e inclusão, projetos de equidade e fomento à educação, por exemplo.

Governança: nesse parâmetro, incluem-se todos os processos corporativos que visam a transparência de sua esfera administrativa e de investidores, impedindo casos de corrupção, discriminação e assédio.

Falando sobre a esfera de governança, é fundamental adotarmos a cultura da transparência junto dos stakeholders da empresa. Afinal de contas, como os nossos valores motivam o nosso modelo de gestão tributário? Quais são as nossas metas a longo prazo? Como zelamos pela conformidade tributária e fiscal da companhia? Há um plano de gestão de riscos? Essas informações estão disponíveis para a sua comunidade consultar?

Já no âmbito estratégico, a visão da empresa como agente de desenvolvimento social do meio em que está inserida a levará a agir não apenas de forma lícita, mas também ética, na contramão de planejamentos tributários agressivos que, por exemplo, priorizam apenas a diminuição da carga tributária para decidir as regiões em que a operação se expandirá, beneficiando triangulações e aberturas de contas em paraísos fiscais.

Um caso interessante a destacar nesse sentido é o acordo firmado entre os 136 países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) no final de ano passado para a criação de um imposto mínimo global de 15% para empresas multinacionais, a partir de 2023, com previsão de realocar mais de US$125 bi de lucros dos 100 maiores players com negócios offshore. Além desse ganho direto, também podemos pensar em cobenefícios gerados como o desestímulo ao trabalho análogo ao escravo em regiões carentes e o investimento em infraestrutura nas comunidades que recebem as filiais.

Já no nível operacional, a equipe tributária vai mapear, dentro de toda a sua cadeia de valor, quais as possibilidades de aproveitamento de convênios e incentivos fiscais para a empresa, abrangendo tanto programas sociais, como a Lei de Incentivo ao Esporte, quanto os ambientais, como a Lei do Bem, voltada ao investimento em inovação e tecnologia, e os incentivos criados para desonerar a adoção de energia solar, por exemplo.

De acordo com livre-docente em Direito Tributário (USP), Cristiano Carvalho, “se os planejamentos tributários são praticados é porque há incentivos para tanto. Sistemas complexos, com altos custos de transação, inevitavelmente geram brechas e distorções, devidamente exploradas pelos contribuintes. Não esqueçamos que recursos economizados em tributos podem ser revertidos para melhorar a eficiência da atividade-fim da empresa e, por outro lado, custos fiscais exacerbados provavelmente irão repercutir nos preços de bens e serviços.”

É verdade que, na Europa, esse debate tem sido muito mais simples do que no Brasil, visto que a complexidade do nosso sistema tributário oportuniza a criação de impasses na adoção de medidas análogas às supracitadas, mas que o ESG veio para ficar, é fato.  Cabe a nós, profissionais da área tributária, nos debruçarmos sobre a legislação para aproveitarmos os incentivos para agirmos em prol da empresa e do nosso entorno. Mãos à obra!

Sobre o autor

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nosso blog

Digite seu email para acompanhar nosso blog e receber notificação de novos conteúdos.