Métodos para limitação do número de casas decimais aceitos pela legislação brasileira

Ao se efetuar o cálculo do valor de um bem, mercadoria, de um tributo, etc., muitas vezes é necessário limitar o número de casas decimais do resultado obtido. Para tanto, dois métodos podem ser aceitos, conforme o caso: truncamento ou arredondamento.

  • Método de truncamento:

No truncamento, as casas decimais que excederem uma determinada posição são ignoradas, sendo excluídas do cálculo. Vejamos, por exemplo, como esse método se aplicaria ao calcular o valor total de determinada mercadoria:

QuantidadeValor UnitárioResultadoTruncado
5,786x23,3=134,8138134,81
2,36x25,88=61,076861,07

 

Ou seja, ao truncar um número para que apresente 2 casas decimais, simplesmente devemos ignorar as casas excedentes, independentemente dos valores nelas constantes (sem se preocupar com a precisão que ele representa).

  • Método de arredondamento:

O outro método, chamado arredondamento, consiste na aproximação do valor de um número real para sua representação com um número finito de dígitos e pode ser feito de algumas maneiras, conforme a regra adotada. No Brasil, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) regulamentam o tema.

A ABNT normatizou o método de arredondamento através da ABNT NBR 5891:2014[i] – Regras de arredondamento na numeração decimal, que revisa a norma ABNT NBR 5891:1977, elaborada pelo Comitê Brasileiro de Máquinas e Equipamentos Mecânicos (ABNT/CB-04). Supondo que o objetivo seja limitar um valor a 2 casas decimais, conforme regra da ABNT deve-se observar as seguintes hipóteses:

 

VALOR DA 3ª CASA DECIMAL:CRITÉRIO DE ARREDONDAMENTO:
É maior que 5–>Soma-se uma unidade na 2ª casa decimal
Exemplo:
QuantidadeValor Unitário ResultadoArredondado
2,36x25,88 =61,0768  61,08
É menor que 5–>Valor da 2ª casa permanece o mesmo
Exemplo:
QuantidadeValor Unitário ResultadoArredondado
5,786x23,3=134,8138134,81
É igual a 5 (e a 2ª casa decimal é ímpar) –>Soma-se uma unidade na 2ª casa decimal
Exemplo:
QuantidadeValor Unitário ResultadoArredondado
150,15x2,5=375,37500375,38
É igual a 5 (e a 2ª casa decimal é par)–>Se a 4ª unidade decimal for diferente de zero, soma-se uma unidade na 2ª casa decimal
Exemplo:
QuantidadeValor Unitário ResultadoArredondado
41,94960912x3,07=128,7853128,79
É igual a 5 (e a 2ª casa decimal é par)–>Se a 4ª unidade decimal for igual a zero, valor da 2ª casa permanece o mesmo
Exemplo:
QuantidadeValor Unitário ResultadoArredondado
1,9130599x12,203=23,3450723,34

 

Outra norma que trata do mesmo assunto é a Resolução nº 886/1966 do IBGE[ii], que estabelece em seu item 9.2 as regras de arredondamento a seguir:

9.2- Arredondamento de Números.

9.2.1 – Quando o primeiro algarismo a ser abandonado for, 0, 1, 2, 3 ou 4, fica inalterado o último algarismo a permanecer.

Exemplo:

48,23 passa a 48,2.

9.2. 2 – Quando o primeiro algarismo a ser abandonado for 6, 7, 8 ou 9, aumenta-se de uma unidade o último algarismo a permanecer.

Exemplos:

23,07 passa a 23,1

34,99 passa a 35,0

9.2. 3 – Quando o primeiro algarismo a ser abandonado for 5, haverá duas soluções:

  1. a) como regra geral, segue-se o item 9. 2. 2

 Exemplo:

12,502.52 passa a 12,503

  1. b) se ao 5 só se seguirem zeros, o último algarismo a ser conservado só será aumentado se for ímpar.

Exemplos:

24,750.000.0 passa a 24,8

24,650.000.0 passa a 24,6

9.2. 4 – São de evitar os arredondamentos sucessivos, e fica recomendada a volta aos dados originais caso se proceda a novo arredondamento.

 Exemplo:

17,444.52 para 17,4 ou para 17

e não para 17,445 para 17,45 para 17,5 para 18

9.2. 5 – Quando houver parcelas e total, e ocorrer divergência no arredondamento, corrigir-se-á na parcela (ou nas parcelas) onde o erro relativo for menor.

 Exemplo:

2,4  para  2

13,4       14

16,1       16

31,9        32

9.2.6 – A mesma regra se aplicará sucessivamente quando houver subtotais (totais parciais} intercalados.

Existe ainda outra forma de arredondamento por aproximação, utilizada no Excel e outros programas de cálculo, e que difere um pouco dos métodos descritos nas normas acima.

Nesse arredondamento (assim como nos outros métodos), o último dígito a permanecer ficará inalterado sempre que o primeiro algarismo a ser abandonado for 0,1,2,3 ou 4. Contudo, quando o primeiro algarismo a ser abandonado for maior ou igual a 5, aumenta-se em uma unidade o algarismo que permanece:

  • Algarismo menor que 5: Se o algarismo decimal seguinte for menor que 5, o anterior não se modifica.
    • Exemplo: 12,652. Arredondando a 2 algarismos decimais, deveremos ter em atenção o terceiro decimal: 12,652 = 12,65.
  • Algarismo maior ou igual a 5: Se o algarismo decimal seguinte for maior ou igual a 5, o anterior incrementa-se em uma unidade.
    • Exemplo: 12,658. Arredondando a 2 algarismos decimais, deveremos ter em atenção o terceiro decimal: 12,658 = 12,66.
    • Exemplo: 12,865. Arredondando a 2 algarismos decimais, deveremos ter em atenção o terceiro decimal: 12,865 = 12,87

Cumpre apontar que é comum nos softwares a utilização de métodos de arredondamento diversos do acima apresentado para restringir a representação de um valor a um número finito de dígitos, mesmo aqueles que não podem ser representado de forma exata, por exemplo, as dízimas infinitas e os números irracionais[iii].  Este fenômeno nos leva aos conceitos de número de dígitos significativos e de precisão do arredondamento, que não serão tratados aqui.

 

  • Quando devemos utilizar cada um desses métodos?

 

Para o cálculo e escrituração de cada tributo, assim como apresentação de cada obrigação acessória, a legislação específica deve ser observada.

Como exemplo, tem-se a Nota Orientativa 01/2018[iv] – Arredondamentos de retenções na EFD-Reinf, que estabelece o método de truncamento como padrão para apresentação da obrigação, aceitando também o arredondamento quando este resultar em valor “a maior” no limite de 1 centavo:

“A EFD-REINF utiliza como regra de cálculo para operações de multiplicação envolvendo decimais, a função de truncar na segunda casa decimal. Dessa forma, para efeito de apuração dos valores tributados são consideradas duas casas decimais sem arredondamentos.

 Por exemplo: Uma determinada nota fiscal de prestação de serviços, sujeita à retenção de 11% sobre cessão de mão de obra, tem como base de cálculo o valor de R$918,18. Assim, ao realizar o cálculo, tem-se que 11% de R$918,18 vale R$100,9998. Para apurar o valor da retenção, o contribuinte deverá truncar na segunda casa decimal sem arredondamento. Dessa forma, o valor correto da retenção, nesse caso, deverá ser de R$100,99.

 Entretanto, como o destaque do valor da retenção é feito pela empresa prestadora de serviços, para diminuir a possibilidade de erros na recepção dos arquivos e também para diminuir necessidades de ajustes em softwares pelas empresas, optou-se por aceitar também, o arredondamento para maior.

Dessa forma, os campos de retenção dos eventos relacionados abaixo devem permitir o arredondamento para maior, no limite de 1 centavo, e deverá ser considerado o valor maior entre o calculado pelo sistema e o informado pelo contribuinte. Segue a relação dos eventos e campos que aos quais se aplica a referida regra:

– R-2010: vlrRetencao, vlrAdicional, vlrNRetPrinc e vlrNRetAdic.

– R-2020: vlrRetencao, vlrAdicional e vlrNRetAdic

– R-2030: vlrRetApur

– R-2040: vlrRetApur

– R-3010: vlrCP

O evento totalizador “R-5001 – Informações de bases e tributos por evento” refletirá o procedimento adotado nos eventos acima.”

Em relação ao ICMS, tributo de competência estadual, é preciso que se observe em cada UF a existência ou não de norma que determine qual método de aproximação de casas decimais deve ser utilizado. O Estado de São Paulo, por exemplo, não possui legislação sobre o tema. Desta forma, para manter a coerência no cálculo do tributo, quando for necessária a limitação das casas decimais, deve-se utilizar o método descrito no Convênio ICMS n° 85/2001[v].

O citado Convênio ICMS n° 85/2001 estabelece os requisitos de hardware, de software e gerais para desenvolvimento de equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ECF), os procedimentos aplicáveis ao contribuinte usuário de ECF e às empresas credenciadas, e dá outras providências. Em sua cláusula vigésima sétima, inciso X, este Convênio determina:

“Cláusula vigésima sétima O Software Básico observará os seguintes requisitos:

(…)

X – o valor resultante de operação com mais de 2 (duas) casas decimais deverá ser:

  1. a) truncado na 2ª (segunda) casa decimal, em conformidade com o disposto na Portaria 30/94, de 06 de julho de 1994, do Departamento Nacional de Combustíveis, no caso de operação com combustíveis;
  2. b) arredondado para 2 (duas) casas decimais, em conformidade com a Norma NBR 5891/77 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), nos demais casos;”

Por sua vez, a Portaria DNC nº 30/1994[vi] determinava que:

“Art. 1º. Os preços por litro de óleo diesel, de gasolina automotiva e de álcool hidratado, indicados nas bombas medidoras dos Postos de Revenda, são expressos com três casas decimais.

Art. 2º. O consumidor pagará, pelo volume total de óleo diesel, gasolina automotiva e/ou álcool hidratado que adquirir nos Postos Revendedores, o valor em Real que resultar da multiplicação do valor de cada litro indicado nas bombas medidoras pelo número de litros adquiridos.

Art. 3º. Na compra feita pelo consumidor, o valor total será pago considerando-se apenas 2 (duas) casas decimais, desprezando-se a terceira casa decimal, inclusive, conforme exemplo ilustrativo no Anexo I.”

A Portaria acima citada foi revogada pela Resolução ANP nº 41/2013[vii], que continua definindo que as casas decimais após a 2ª casa decimal devem ser desprezadas:

“Art. 20. Os preços por litro de todos os combustíveis automotivos comercializados deverão ser expressos com três casas decimais no painel de preços e nas bombas medidoras.

Parágrafo único. Na compra feita pelo consumidor, o valor total a ser pago resultará da multiplicação do preço por litro de combustível pelo volume total de litros adquiridos, considerando-se apenas 2 (duas) casas decimais, desprezando-se as demais.”

Portanto, salvo disposições legais específicas em contrário, a exemplo dos valores utilizados para o cálculo do preço dos combustíveis, os demais valores que compõem o cálculo do ICMS devem seguir o método de arredondamento (ABNT), considerando 2 casas decimais.

[i] Segue link oficial para adquirir a ABNT NBR 5891:2014: https://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=326535

[ii] Segue link para baixar a Resolução IBGE nº 886/1966: https://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo?id=282497&view=detalhes

[iii] As dízimas podem ser finitas ou infinitas, periódicas ou não periódicas. Os números irracionais correspondem a dízimas infinitas não periódicas. São números que não podem ser expressos como quociente de dois números inteiros.

[iv] Ver Nota Orientativa 01/2018: http://sped.rfb.gov.br/pagina/show/2697

[v] Ver Convênio ICMS nº 85/2001:  https://www.confaz.fazenda.gov.br/legislacao/convenios/2001/CV085_01

Apesar desse Convênio ter sido revogado pelo Convênio ICMS nº 9/2009, este último determinou que os requisitos técnicos para equipamento de ECF deveriam ser estabelecidos em Ato Cotepe, especificamente pelo Ato Cotepe nº 16/2009. Este ato especifica em suas tabelas a utilização de Arredondamento ou Truncamento, nos ternos do supracitado Convênio ICMS nº 85/2001.

 

[vi] Ver Portaria DNC nº 30/1994: http://legislacao.anp.gov.br/?path=legislacao-federal/portarias/portarias-dnc/1994&item=pdnc-30–1994

 

[vii] Ver Resolução ANP nº 41/2013: http://legislacao.anp.gov.br/?path=legislacao-anp/resol-anp/2013/novembro&item=ranp-41-2013

Sobre o autor

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga nosso blog

Digite seu email para acompanhar nosso blog e receber notificação de novos conteúdos.