DECLARAÇÃO PADRONIZADA DO ISSQN – DEPISS (Parte 1)

INTRODUÇÃO

Por meio de recente publicação do Comitê Gestor das Obrigações Acessórias do ISSQN (Resolução CGOA nº 4/2022) ocorrida em Maio/22, restou regulamentada a obrigação acessória de padrão nacional, denominada Declaração Padronizada do ISSQN (DEPISS). Acerca desse tema, faremos destaques aos pontos relevantes distribuídos nos tópicos a seguir.

 

1.BREVE HISTÓRICO

Um dos pontos mais controversos na legislação do ISSQN, desde a vigência do Decreto-lei nº 406/1968 é o “local da prestação”, ou seja, qual Município receberá o valor do ISSQN arrecado com a prestação do serviço sujeito a essa incidência.

Com a entrada em vigor da Lei Complementar nº 116/2003, pretendia-se que essa questão ficasse resolvida, mas não foi bem assim. Tivemos apenas a definição de que o local de pagamento do imposto, em regra é o de estabelecimento ou domicílio do Prestador de Serviços, com exceção aos serviços que a mesma norma estabelece que o local de pagamento do ISSQN será onde o serviço efetivamente for prestado.

A Lei Complementar n º 157/2016, modificou o local de pagamento do ISSQN para o Município onde ocorrer os serviços indicados nos subitens 4.22, 4.23, 5.09, 15.01 e 15.09, porém teve eficácia suspensa pelo STF no julgamento da ADI 5.835, porque foi entendido que não havia clareza quanto ao “conceito de tomador de serviços”, o que implicaria em dificuldade de aplicação da lei complementar diante dos inúmeros e, também “não claros”, atos normativos municipais.

Posteriormente foi publicada a Lei Complementar nº 175/2020, que, entre outras disposições:

  • Definiu os tomadores dos serviços afetados pelas alterações da LC nº 157/2016;
  • Dividiu a destinação das receitas entre os municípios do tomador e do prestador dos referidos serviços;
  • Instituiu o CGOA e o Grupo Técnico CGCOA (GTCGOA), justamente, voltados a regular a aplicação do padrão nacional da obrigação acessória dos referidos serviços.

 

2.ATIVIDADES SUJEITAS A DEPISS

A legislação federal do ISSQN, dispõe sobre o padrão nacional de obrigação acessória do Imposto que é de competência dos Municípios e do Distrito Federal, cuja obrigação recai sobre os serviços previstos nos subitens 4.22, 4.23, 5.09, 15.01 e 15.09 da lista de serviços anexa à Lei Complementar nº 116/2003, sendo os que seguem:

4.22 – Planos de medicina de grupo ou individual e convênios para prestação de assistência médica, hospitalar, odontológica e congêneres;

4.23 – Outros planos de saúde que se cumpram através de serviços de terceiros contratados, credenciados, cooperados ou apenas pagos pelo operador do plano mediante indicação do beneficiário;

5.09 – Planos de atendimento e assistência médico-veterinária;

15.01 – Administração de fundos quaisquer, de consórcio, de cartão de crédito ou débito e congêneres, de carteira de clientes, de cheques pré-datados e congêneres; e

15.09 – Arrendamento mercantil (leasing) de quaisquer bens, inclusive cessão de direitos e obrigações, substituição de garantia, alteração, cancelamento e registro de contrato, e demais serviços relacionados ao arrendamento mercantil (leasing).

 

3.ENTREGA DA DEPISS

A entrega da DEPISS deverá ser efetuada por Contribuintes e Responsáveis Tributários, todo mês, utilizando-se o sistema eletrônico de padrão unificado em todo território nacional, que contenha as funcionalidades e observe os leiautes e os parâmetros definidos, previamente homologado, com base na legislação vigente.

A declaração será entregue, mensalmente, até o 25º dia do mês seguinte ao de ocorrência dos fatos geradores do ISSQN, utilizando sistema desenvolvido individualmente pelo Contribuinte, devendo permitir protocolo de entrega da declaração mensal originária e retificadora, com código de verificação, atestando a data e a hora da entrega da DEPISS e o acesso ao sistema será realizado por meio de certificado digital válido, emitido por autoridade certificadora credenciada ao ICP-Brasil.

 

  • PRAZO

Os contribuintes têm 90 dias para desenvolver o sistema e submetê-lo a homologação do Comitê Gestor das Obrigações Acessórias do ISSQN (CGOA), prazo esse contado da data de publicação da Resolução CGOA Nº 4/2022, publicada em 13/05/2022, que oficializou a regulamentação dessa obrigação acessória.

 

4.INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS NA DEPISS

A declaração deve conter as informações:

a. de todos os serviços prestados, discriminados por tomador do serviço e por Município ou Distrito Federal do domicílio dele e quando não houver movimento de serviço prestado para determinado Município, o prestador deve declarar esta situação no arquivo entregue ou em tela a ser exibida pelo sistema, após a validação do arquivo;

b. as credenciadoras e emissoras de cartão de crédito ou débito e congêneres, além das obrigações de contribuinte do ISSQN, são responsáveis pela declaração dos serviços prestados pelas bandeiras e pelo recolhimento do imposto incidente sobre a atividade destas.

 

5.COMENTÁRIOS FINAIS A PARTE 1

No próximo artigo, “Parte 2 da DEPISS”, continuaremos a tratar de aspectos relevantes a composição, entrega, retificação e demais informações que aclaram, para o contribuinte, o cumprimento dessa obrigação acessória.

 

Por: Luciana Benassi

 

Sobre o autor

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nosso blog

Digite seu email para acompanhar nosso blog e receber notificação de novos conteúdos.